regiaonorte.net
Sem FOTO:1

Estação de S.Bento

largo Almeida Garrett

escultura no largo Almeida GarrettA Estação Ferroviária de São Bento, situa-se no largo Almeida Garrett, popularmente conhecido como São Bento, e pertence à freguesia da Sé, na cidade do Porto. Foi edificada no lugar onde anteriormente existiu o Mosteiro de S. Bento da Ave-Maria, de freiras beneditinas, dando origem ao seu nome, que foi demolido só depois da morte da última freira no final do século XIX. Com a afirmação do Liberalismo no início do século XIX, e depois de extintas as ordens religiosas, o regime confiscava os bens patrimoniais monásticos por decretos de 1832 e 1834, determinando que estes passassem para o Estado após a morte da última religiosa. No caso do Mosteiro da Avé Maria, esta terá falecido em 1892, ficando então as instalações devolutas.

O projecto da estação ficou a cargo do arquitecto portuense José Marques da Silva e a cerimónia de lançamento da primeira pedra pelo rei D. Carlos e por D. Amélia de Orleães, realizou-se em 22 de Outubro de 1900, no cunhal da rua da Madeira, tendo sido adiado o prosseguimento das obras de edificação da estação, devido ao seu planeamento não se encontrar concluído. Em 1901, deu-se início às obras de terraplanagem do lado da rua do Loureiro, nomeadamente a demolição da Igreja de São Bento, a algumas escavações e instalação de saneamento, e à construção de um muro de sustentação do terreno de grande cota. As plataformas de passageiros ficaram concluídas em 1905 assim como o cais coberto do lado da rua do Loureiro e algumas obras de saneamento.

A ornamentação e instalação dos painéis de azulejos no vestíbulo ficaram a cargo do artista plástico Jorge Colaço (1906). Cobrem cerca de 551 metros quadrados contando-se ao todo cerca de 23 000 azulejos que ilustram as paisagens da região assim como os hábitos das suas gentes, narram a evolução dos transportes e relatam alguns episódios da história de Portugal: o encontro de Valdevez, cena que evoca o torneio que se travou entre cavaleiros em 1140 nas margens do rio Lima; a entrega de Egas Moniz, nobre pertencente a uma poderosa família de Entre Douro e Minho; o casamento de D. João I com Dona Filipa de Lencastre em 1386; a conquista de Ceuta em 1415. 

Em 5 de Outubro de 1916, foi inaugurado o edifício definitivo da Estação de São Bento.

A construção da estação de caminho de ferro levou mais tarde ao alargamento da praça Almeida Garrett, com vista a facilitar o acesso automóvel entre a baixa do Porto e a estrada para Lisboa. Procedeu-se então à demolição de praticamente todo o quarteirão a sul da praça de inestimável valor histórico e patrimonial, rasgando-se, na década de 1950, uma ampla avenida de ligação ao tabuleiro superior da ponte D. Luís, a actual Avenida de D. Afonso Henriques. 

A última grande intervenção urbanística na praça ocorreu em 2005 aquando da construção da linha do Metro do Porto e da respectiva estação de metro, da autoria do arquiteto Siza Vieira. 

 

 

vista da igreja e entrada da Estação de São Bento

 

escultura no largo Almeida Garrett

 

 


COMENTÁRIOS DOS LEITORES


Find more about Weather in Coimbra, PO
Click for weather forecast


NEWSLETTER

Subscrever a newsletter:



Sair da newsletter:

ARRENDA-SE.NET

Quartos, apartamentos, casas, etc

RECADINHOS

Últimos recadinhos dos leitores:

Congratulations for the site. It is very nice to get more informations about Portugal. A beautiful country.
Matheus Smith 2016-07-30 23:39:20


RELÓGIO

Veja que horas são no mundo

NOTÍCIAS

Jornal O PÚBLICO

Michel Combes: “Portugal é um diamante" para a Altice
Na véspera de a ERC anunciar o parecer sobre a compra da TVI, Patrick Drahi trouxe a Lisboa o seu estado-maior para o encontro de quadros anual do grupo Altice. E anunciou a mudança de Meo Arena para Altice Arena.

EDP garante protecção "bem constituída" das linhas eléctricas
Presidente do Conselho de Administração da empresa mostra-se "surpreendido" e refuta as conclusões do relatório do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais, que refere que o fogo foi causado por "contactos entre a vegetação e uma linha eléctrica de média tensão" da EDP.

Inimputáveis?
A António Costa só nos resta pedir que não nos faça chorar mais, que faça de uma vez o que tem de ser feito. Porque este Governo pode ser popular, mas não pode mesmo ser inimputável. Ou será, senhor Presidente?

“Está na altura de reformular o nosso modelo” de combate a incêndios, diz Costa
Para o primeiro-ministro, assumir responsabilidades não é fazer demissões, mas pôr em prática as propostas da comissão independente e executar a reforma florestal.

Risos madrugadores, férias, contradições e zero demissões
O filme político de mais um dia trágico em que Marcelo andou sempre à frente de Costa e foram ditas algumas frases no mínimo surpreendentes.

Uma comédia chamada Estado português
“O mais fácil para mim seria a demissão”, disse a ministra da Administração Interna. Por favor, faça o mais fácil, e vá-se embora de vez.

NOTÍCIAS

Jornal EXPRESSO

(c) 2014 Portal regiaonorte.net

Termos de Serviço

Privacidade