regiaonorte.net
Sem FOTO:431

Ucanha: A ponte, a torre e o moinho de rodízio junto ao rio Varosa

Freguesia portuguesa do concelho de Tarouca

Ucanha é uma freguesia portuguesa do concelho de Tarouca e é uma aldeia vinhateira do Douro. Foi vila e sede de concelho até 1836, quando foi suprimido e anexado ao concelho de Mondim da Beira. 

O erudito José Leite de Vasconcelos, nascido em Ucanha, refere essencialmente três razões para a construção da ponte e da torre de Ucanha, sobre o rio Varosa, perto de Tarouca e a poucos quilómetros de Lamego: a de defesa, à entrada do couto monástico de Salzedas; a de ostentação senhorial, bem patente na alta torre; e a da cobrança fiscal, pelo valor económico que tal representaria para o mosteiro cisterciense erguido nas proximidades.

O registo mais antigo que se conhece referente ao moinho de água de roda horizontal, encontra-se num epigrama de Antipratos de Salónica, o qual se presume date de 85 a.C.. Existem no entanto, outros registos, nomeadamente arqueológicos, que apontam para a existência deste sistema na Dinamarca no século I a.C., e mencionado num poema na China do ano 31 da nossa era. Já relativamente ao moinho de água de roda vertical, é pela primeira vez mencionado por Vitrúvio numa obra datada de 25 a.C.. 


A roda horizontal à qual se chama rodízio, é composta por um conjunto de palas dispostas radialmente, que recebem a impulsão do jacto de água. A difusão deste tipo de engenhos hidráulicos foi muito rápida por toda a Europa, devido à abundância e características dos cursos de água existentes. Os senhores feudais da época medieval eram privilegiados por possuírem estes engenhos, pois cobravam pesados impostos a quem os utilizasse. O aumento da cultura dos cereais por parte de pequenas comunidades rurais, levou à crescente expansão principalmente dos moinhos de roda horizontal ou rodízio.


A introdução dos moinhos de água em Portugal deve-se presumivelmente aos Romanos, sendo o moinho de rodízio aquele que mais se difundiu, principalmente no norte do país. A sua utilização subsistiu até aos nossos dias e segundo o autor Jorge Dias, existiriam no ano de 1968, cerca de 10.000 moinhos ainda em actividade, dos quais aproximadamente 7.000 seriam de água e destes 5.000 seriam de rodízio.



loading...



COMENTÁRIOS DOS LEITORES


Find more about Weather in Coimbra, PO
Click for weather forecast


NEWSLETTER

Subscrever a newsletter:



Sair da newsletter:

ARRENDA-SE.NET

Quartos, apartamentos, casas, etc

RECADINHOS

Últimos recadinhos dos leitores:

Congratulations for the site. It is very nice to get more informations about Portugal. A beautiful country.
Matheus Smith 2016-07-30 23:39:20


RELÓGIO

Veja que horas são no mundo

NOTÍCIAS

Jornal O PÚBLICO

A questão sefardita: reunir Portugal
A lei não é acto simbólico de reparação histórica. A lei é para o presente e o futuro, não para o passado. Por tudo, a alteração da lei não só não é precisa, como seria um gravíssimo erro político e histórico.

O “novo normal” para as Universidades e a perigosa vertigem do virtual
Sob a máscara deste discurso, é difícil ignorar que estará em curso a conversão da Universidade num business center de investigação a pronto e por encomenda, e numa fábrica de venda de diplomas mal-amanhados num simulacro de formação à distância.

A carga horária
Qualquer reforma deve compreender os limites da coerção e a capacidade de persuasão. Sem mudar os regulamentos e a sua lógica, nada se conseguirá para o ensino superior.

Por onde começar?
A comunidade artística terá de reflectir no que deve, pode e está disposta a fazer, no contexto complexo de um mundo que vai atravessar tempos difíceis, e porventura mais trágico.

Regresso a Sefarad
O acesso à nacionalidade portuguesa pelos sefarditas faz parte de uma política de reparação histórica. O argumento logicamente impecável contra ela é o daqueles que consideram que nenhuma política de reparação faz sentido.

Tudo parece impossível, até ser feito
Mais do que constatar, é preciso agir. A situação económica justifica e o tecido social exige um antivírus contra a austeridade, o desemprego, a precariedade e os baixos salários.

NOTÍCIAS

Jornal EXPRESSO

(c) 2014 Portal regiaonorte.net

Termos de Serviço

Privacidade