regiaonorte.net
Sem FOTO:1

A arquitectura industrial do sec. XX e a azulejaria portuguesa

azulejaria portuguesa

 

O desenvolvimento económico e social que se operou na viragem do século XIX para o XX levou ao surgimento de uma classe urbana de pequenos industriais e comerciantes, atenta aos novos consumos e modas da época. A estética Arte Nova, veio servir os interesses desta burguesia, na renovação de hábitos sociais e desenvolvimento cosmopolita do início do século xx, que estiveram na origem do aparecimento de superfícies edificadas “modernas". O gosto Arte Nova possibilitou, com o emprego do azulejo, um estilo decorativo mais fácil de “modernizar” fachadas, por vezes incaracterísticas, através do colorido vibrante, da saturação dos ornatos e da sensualidade das formas. Os edifícios fabris e os estabelecimentos comerciais ostentavam letreiros e painéis figurativos e ornamentais que serviam para anunciar as próprias lojas e a especialidade dos produtos ou serviços aí vendidos. Para além de um sinal de modernidade era uma forma de atrair a atenção dos clientes, tirando partido das potencialidades plásticas do azulejo: a cor, a forma, a textura, o desenho, o brilho. 

Pelas vantagens higiénicas e de resistência que o azulejo oferecia, aliadas ao relativo baixo custo, as primeiras experiências da utilização publicitária do azulejo compreendiam os painéis para revestimento de fachadas.

A Serralharia Progresso edificada em estilo Arte Nova, localizada na rua 8 e 33 em Espinho, filial da Fábrica de Manuel Francisco da Silva, em Macieira de Cambra, inaugurada em 1914 é disso exemplo. As instalações da unidade fabril foram sofrendo aumentos para a vitrificação e a fundição, o que lhe conferiu a designação mais conhecida dos espinhenses, Fundição Progresso. Estes espaços da fábrica sofreram um incêndio em 1933 reduzindo a escombros as secções de fundição, alumínio e serralharia. Após uma longa história de desenvolvimento industrial a fábrica foi encerrada em 1990 e em 2003 foi demolida para construção de uma unidade habitacional e comercial.

Os painéis de azulejos publicitários que revestem a fachada são réplicas dos que existiram em 1918, realizados por Licínio Pinto.

 


COMENTÁRIOS DOS LEITORES


Find more about Weather in Coimbra, PO
Click for weather forecast


NEWSLETTER

Subscrever a newsletter:



Sair da newsletter:

ARRENDA-SE.NET

Quartos, apartamentos, casas, etc

RECADINHOS

Últimos recadinhos dos leitores:

Congratulations for the site. It is very nice to get more informations about Portugal. A beautiful country.
Matheus Smith 2016-07-30 23:39:20


RELÓGIO

Veja que horas são no mundo

NOTÍCIAS

Jornal O PÚBLICO

Incêndios: Vinte concelhos de Faro, Castelo Branco, Guarda, Viseu e Bragança em risco máximo
Pelo menos até terça-feira vai manter-se o risco de incêndio máximo e muito elevado em vários distritos do continente por causa do tempo quente, que se vai manter elevada nos próximos. Esta sexta-feira, temperaturas máximas variam entre os entre os 24ºC em Aveiro e os 37ºC em Évora e Castelo Branco.

Covid-19: Sul da Europa devia ser mais activo face ao turismo, nota OMT
Pandemia vai afectar “seriamente” a forma de desfrutar as férias e implicar uma mudança mental, social e cultural, diz Alessandra Priante.

Com que então, o turismo? Está morto?
É tempo de refletir, não sobre o desastre dos últimos meses, mas sobre como endereçar essa nova vaga de procura que se faz sentir. Temos uma oportunidade única para nos reposicionarmos e reerguermos o nosso setor. Por isso vos digo não, o turismo não está morto. Não o enterremos vivo.

O único problema de Rita Rato
É de Rita Rato que é preciso perceber de uma vez por todas se nega ou reconhece a realidade histórica do Gulag como repressão em massa de milhões de seres humanos, se a condena ou não, e se se arrepende ou não das suas declarações passadas sobre o assunto.

Pelo menos 700 familiares de membros do Estado Islâmico morreram em campos na Síria
ONU alerta que o grupo jihadista está a ganhar força e que as mortes nos campos de detenção criaram “sentimentos de raiva”.

Ex-presidente da Entidade das Contas critica projecto do PSD para alterar financiamento eleitoral.
Proposta prevê que os juros dos empréstimos bancários contraídos para financiar as campanhas sejam considerados despesas eleitoral.

NOTÍCIAS

Jornal EXPRESSO

(c) 2014 Portal regiaonorte.net

Termos de Serviço

Privacidade